Ceará chega ao 7º dia de motim da PM com batalhões ocupados, policiais presos e onda de violência

Brasil

Mais de 200 policiais já foram afastados das funções por participação nos atos. Mesmo com reforço na segurança, homicídios disparam no estado.

O motim de policiais militares no Ceará chega ao 7º dia nesta segunda-feira (24). Pelo menos três batalhões de Fortaleza e da região metropolitana seguem ocupados por grupos de amotinados. Até a noite de domingo (23), mais de 200 agentes de segurança haviam sido afastados por participação nos atos e 37 foram presos por deserção. Em meio à paralisação, continua a onda de violência no estado, com registros de homicídios e assaltos na capital e no interior.

Desde terça-feira (18), homens encapuzados que se identificam como agentes de segurança do Ceará invadiram e ocuparam quarteis, depredando veículos da polícia. Policiais militares reivindicam aumento salarial acima do proposto pelo governador Camilo Santana. Em quatro dias de paralisação, entre quarta-feira (19) e sábado (22), 122 homicídios foram registrados no estado pela Secretaria da Segurança Pública (SSPDS). Por conta da crise na segurança, a Força Nacional e o Exército passaram a atuar em Fortaleza.

Na manhã desta segunda, dois batalhões da PM em Fortaleza – 17º e o 18º , localizados nos Bairros Conjunto Ceará e Antônio Bezerra – permanecem ocupados por homens amotinados e com carros da polícia depredados bloqueando as entradas. Em Caucaia, na Grande Fortaleza, o 12º Batalhão tem cerca de 20 veículos policiais obstruindo ruas que dão acesso à unidade. Já no município de Sobral, a base da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) e do Batalhão de Policiamento de Rondas Intensivas e Ostensivas (BPRaio) continua tomada.

Entre sexta-feira (21) e domingo (23), 230 policiais foram afastados das funções por envolvimento no motim, com a instauração de Processos Administrativos Disciplinares (PADs) pela Controladoria Geral de Disciplina (CGD). Os afastamentos, a princípio, são preventivos e devem durar 120 dias. As investigações apuram práticas “de ato incompreensível com a função pública, gerando clamor público, tornando os afastamentos necessários à garantia da ordem pública”, segundo as portarias publicados no Diário Oficial do Estado (DOE).

Ao todo, 37 policiais considerados desertores foram presos no domingo por faltarem a uma chamada para trabalhar na segurança em festas de carnaval no interior do Ceará.

Na lista dos afastados, está o ex-deputado federal Cabo Sabino (Avante-CE), da Polícia Militar do Ceará. Segundo informações do DOE, Sabino e lideranças da Associação das Esposas de Militares, “convocaram os policiais e familiares para se fazerem presentes no 18º BPM [Batalhão da Polícia Militar] com o objetivo de obstruir o serviço e iniciar o movimento de paralisação” dos policiais.

Com paralisação de PMs, ocorrências policiais disparam no Ceará. No sábado (22), bando foi preso quando se preparava para cometer assaltos durante as festas no carnaval .  — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Com paralisação de PMs, ocorrências policiais disparam no Ceará. No sábado (22), bando foi preso quando se preparava para cometer assaltos durante as festas no carnaval . — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Onda de violência

Em meio aos atos, o Ceará registrou pelo menos 128 homicídios. Com mais de 70 mortes contabilizadas, a sexta-feira e o sábado foram os dois dias mais violentos do estado desde 2012, ano da última paralisação de PMs no Ceará.

Na noite de domingo, um agente penitenciário foi baleado em Fortaleza. Um homem de 39 anos e a filha de um 1 ano e 11 meses foram assassinados dentro de casa em Beberibe, no litoral cearense, na madrugada de sábado (22). Criminosos invadiram a residência da família e dispararam contra o pai, acreditando se tratar de um desafeto com quem haviam brigado horas antes.

Além dos assassinatos, assaltos, roubos e ataques a veículos policiais também ocorreram nos últimos dias na capital e no interior. No sábado, doze pessoas foram presos quando se preparavam para cometer assaltos em uma festa de carnaval na cidade de Paracuru, na região metropolitana.

Aumento do número de homicídios com o início do motim de policiais no Ceará — Foto: Arte/G1
Aumento do número de homicídios com o início do motim de policiais no Ceará — Foto: Arte/G1

Reforços na segurança

Atualmente, a segurança no estado é reforçada por 2,5 mil soldados do Exército e 150 agentes da Força Nacional, além de 212 policiais rodoviários federais, policiais civis e PMs de batalhões que não aderiram à paralisação.

O comandante da 10ª Região Militar do Ceará, Fernando da Cunha Mattos, afirmou que o estado ainda receberá mais tropas para reforçar a segurança. Mattos disse que o número de soldados foi “inicialmente insuficiente” e que o Comando do Nordeste enviou tropas de quatro estado. O número de soldados, porém, não foi informado pelo comandante.

Veículos blindados são usados pelo Exército na segurança das ruas de Fortaleza — Foto: Thiago Gadelha

Veículos blindados são usados pelo Exército na segurança das ruas de Fortaleza — Foto: Thiago Gadelha

Resumo:

  • 5 de dezembro: policiais e bombeiros militares organizaram um ato reivindicando melhoria salarial. Por lei, policiais militares são proibidos de fazer greve.
  • 31 de janeiro: o governo anunciou um pacote de reajuste para soldados.
  • 6 de fevereiro: data em que a proposta seria levada à Assembleia Legislativa do estado, policiais e bombeiros promoveram uma manifestação pedindo aumento superior ao sugerido.
  • 13 de fevereiro: o governo elevou a proposta de reajuste e anunciou acordo com os agentes de segurança. Um grupo dissidente, no entanto, ficou insatisfeito com o pacote oferecido.
  • 14 de fevereiro: o Ministério Público do Ceará (MPCE) recomendou ao comando da Polícia Militar do Ceará que impedisse agentes de promover manifestações.
  • 17 de fevereiro: a Justiça manteve a decisão sobre possibilidade de prisão de policiais em caso de manifestações.
  • 18 de fevereiro: três policiais foram presos em Fortaleza por cercar um veículo da PM e esvaziar os pneus. À noite, homens murcharam pneus de veículos de um batalhão na Região Metropolitana.
  • 19 de fevereiro: batalhões da Polícia Militar do Ceará foram atacados. O senador Cid Gomes foi baleado em um protesto de policiais amotinados.
  • 20 de fevereiro: policiais recusaram encerrar o motim após ouvirem as condições propostas pelo Governo do Ceará para chegar a um acordo.
  • 21 de fevereiro: tropas do Exército começam a atuar nas ruas do Ceará.
  • 22 fevereiro: Ceará soma 88 homicídios desde o início do motim. Antes do movimento dos policiais, a média era de seis assassinatos por dia.

Fonte: G1

Deixe seu comentário

Você precisa estar logado no Facebook para comentar.