Dez anos depois, o Japão lamenta as vítimas do terremoto e do desastre de Fukushima

Mundo

IWAKI, Japão (Reuters) – Com um momento de silêncio, orações e protestos antinucleares, o Japão lamentou na quinta-feira cerca de 20.000 vítimas do grande terremoto e tsunami que atingiu o Japão há 10 anos, destruindo cidades e provocando derretimentos nucleares em Fukushima.

Enormes ondas desencadeadas pelo terremoto de magnitude 9,0 – um dos mais fortes já registrados – atingiram a costa nordeste, paralisando a usina de Fukushima Dai-ichi e forçando mais de 160.000 residentes a fugir quando a radiação foi lançada no ar.

O pior desastre nuclear do mundo desde Chernobyl e o tremor deixaram os sobreviventes lutando para superar a dor de perder famílias e cidades para as ondas em algumas horas assustadoras na tarde de 11 de março de 2011.

Cerca de 50 quilômetros (31 milhas) ao sul da usina, na arenosa cidade costeira de Iwaki, que desde então se tornou um centro para trabalhadores que trabalham no descomissionamento nuclear, o dono do restaurante Atsushi Niizuma orou para sua mãe morta pelas ondas.

“Quero dizer à minha mãe que meus filhos, que eram todos chegados a ela, estão bem. Vim aqui agradecer a ela que nossa família está vivendo com segurança ”, disse Niizuma, 47.

Antes de sair para o trabalho, ele silenciosamente prestou sua homenagem em um monumento de pedra em um santuário à beira-mar com entalhes do nome de sua mãe, Mitsuko, e 65 outras pessoas que morreram no desastre.

No dia do terremoto, Mitsuko estava cuidando de seus filhos. As crianças correram para um carro, mas Mitsuko foi levada pelas ondas ao voltar para casa para pegar seus pertences. Demorou um mês para recuperar seu corpo, disse Niizuma.

O santuário de Akiba se tornou um símbolo de resiliência para os sobreviventes, já que quase não foi danificado pelo tsunami enquanto as casas próximas foram varridas ou incendiadas.

Cerca de duas dezenas de moradores se reuniram com Niizuma para decorá-la com grous de papel, flores e lenços amarelos com mensagens de esperança enviadas por estudantes de todo o país.

“Estava nevando há 10 anos e estava frio. A frieza sempre me trouxe de volta à memória o que aconteceu naquele dia ”, disse Hiroko Ishikawa, 62.

“Mas com minhas costas tomando banho de sol hoje, estamos nos sentindo mais relaxados. É como se o sol estivesse nos dizendo: ‘Está tudo bem, por que você não vai conversar com todos que voltaram para visitar sua cidade natal?’ ”

LEMBRANDO OS MORTOS

Às 14h46, momento exato em que ocorreu o terremoto há uma década, o imperador Naruhito e sua esposa fizeram um momento de silêncio para homenagear os mortos em uma cerimônia comemorativa em Tóquio. Orações silenciosas foram realizadas em todo o país.

O primeiro-ministro Yoshihide Suga disse na cerimônia em memória que a perda de vidas ainda era impossível de contemplar.

“É insuportável pensar nos sentimentos de todos aqueles que perderam seus entes queridos e amigos”, disse Suga, vestindo um terno preto.

Na cerimônia com a presença do imperador e do primeiro-ministro, os participantes usaram máscaras e mantiveram distância, e não cantaram junto com o hino nacional para evitar a disseminação do coronavírus.

Em um comunicado conjunto, Suga e seu homólogo americano Joe Biden disseram que os dois países continuariam avançando ombro a ombro para concluir a reconstrução da região.

O governo japonês gastou cerca de US $ 300 bilhões (32,1 trilhões de ienes) para reconstruir a região, mas as áreas ao redor da usina de Fukushima permanecem proibidas, as preocupações com os níveis de radiação persistem e muitos dos que partiram se estabeleceram em outros lugares.

Cerca de 40.000 pessoas ainda estão desabrigadas pelo desastre.

O Japão está novamente debatendo o papel da energia nuclear em sua matriz energética, já que o país com poucos recursos visa alcançar a neutralidade de carbono até 2050 para combater o aquecimento global. Mas uma pesquisa da TV pública NHK mostrou 85% do público se preocupa com acidentes nucleares.

O trabalho para descomissionar a usina Fukushima Dai-ichi destruída, lidar com água contaminada e resíduos sólidos e tornar a área segura é imenso, já que os críticos dizem que pode levar até um século para retornar a usina a um estado utilizável.

Cerca de 5.000 trabalhadores passam pelos portões todos os dias para trabalhar no desmantelamento da planta danificada, que ainda tem cerca de 880 toneladas de resíduos de combustível derretido em seus reatores.

As manifestações em massa contra a energia nuclear vistas na esteira de 11/3 desapareceram, mas a desconfiança persiste. Alguns manifestantes realizaram uma manifestação antinuclear em frente à sede da operadora da usina Tokyo Electric Power na noite de quinta-feira.

Em Fukushima, fogos de artifício iluminaram o céu noturno para conectar as almas das vítimas e orar por um futuro brilhante.

“Assistindo aos fogos de artifício, senti que estamos dando mais um novo passo em direção à recuperação”, disse Hiroshi Yokoyama, 56, um professor da cidade de Namie em Fukushima que perdeu seus pais e sua casa no tsunami.

“Eu não acho que nunca mais voltará a ser como costumava ser … mas estou ansioso para ver que tipo de novas abordagens haverá para revitalizar a cidade.”

Deixe seu comentário

Você precisa estar logado no Facebook para comentar.